domingo, 19 de fevereiro de 2017

MEIO AMBIENTE: CONSERVAR E SANEAR: EIS A QUESTÃO!

Abandonada há muito tempo, parece que a orla praiana da Ilha do Mosqueiro vai, finalmente, ser recuperada pela Prefeitura Municipal de Belém, a qual receberá do Governo Federal para o projeto vinte e cinco milhões de reais. Segundo os nossos cálculos, um trabalho realmente eficaz e completo de recuperação de sudoeste a leste da Ilha custaria aos cofres públicos trezentos milhões.



Esperamos que o aval para o projeto seja dado pela engenharia ambiental, pois reconstruir simples muros de arrimo nas praias do Mosqueiro, sem características de quebra-mar, é deixar o dinheiro do povo ser levado pela maré. E isso não é bom para os que ali moram, frequentam e trabalham, nem para o próprio Governo. Quanto ao povo, só resta fiscalizar a realização e a seriedade da obra. Afinal de contas, o dinheiro é nosso!

E já que o Governo Federal está disposto a revitalizar a urbanização da Ilha, poderia muito bem destinar uma verba para a ressurreição do projeto de esgotamento sanitário, morto, enterrado e esquecido pela Prefeitura nas ruas do Mosqueiro. Outra verba poderia contemplar o saneamento e drenagem de um trecho do igarapé Cariacanga, por onde escoa 90% das águas pluviais da Vila, o qual vem causando transtornos permanentes à população. 




sábado, 28 de janeiro de 2017

MA ROTA DA HISTÓRIA: COMO A AMAZÔNIA PERTENCERIA À INGLATERRA

Autoria: Belém Antiga
Na Semana dedicada à Cabanagem, Belém Antiga volta a publicar uma revelação. A pouco conhecida história de que por pouco, muito pouco, a Amazônia não passou às mãos do poderoso Império Britânico na metade do século XIX. Esse era o preço que O Rio de Janeiro queria pagar para isolar do Império a ameaça Cabana, que , se bem sucedida, poderia representar uma ameaça ao Imperador. Outro lado da história, os ingleses teriam tentado vender aos Cabanos a Independência com apoio de dinheiro dos Estados Unidos. Memórias esquecidas da história.



Esfacelado pela multiplicação das revoltas, o retorno de D. Pedro I a Portugal, e um D. Pedro II ainda sem idade para assumir, o Regente Diogo Antônio Feijó ofereceu a região aos ingleses, desde que sufocassem os rebeldes. Por azar, ou sorte, os ingleses seguiram o caminho mais comum. Cobrar a dívida em dinheiro no lugar de levar para Londres uma área inóspita e selvagem. Se soubessem, naqueles anos, toda a riqueza da Amazônia, o futuro seria diferente.
Das duas uma. Ou o Pará seria uma espécie de Austrália ou África do Sul, ou teria sido massacrado economicamente pelo neocolonialismo, até se tornar independente. Foi o próprio império brasileiro que deu autorização para invadir, matar e sufocar a Cabanagem, ciente de que poderia estar entregando a região, a maior potência do planeta. Só não viramos ingleses, porque a Inglaterra não aceitou o presente. Era o dia 17 de dezembro de 1835.
Os embaixadores da Inglaterra e da França, Fox e Pontois, chegaram à sede do governo brasileiro, no Rio de Janeiro, para uma audiência “secreta e confidencial” convocada por Diogo Antônio Feijó, que governava o Brasil como regente, em nome de D. Pedro II, ainda sem idade para assumir a administração do império depois da renúncia de seu pai, D. Pedro I.
Era dezembro de 1835 e o movimento da Cabanagem ainda tirava o sono de Diogo Antonio Feijó, representante do governo imperial brasileiro. Sigilosamente, ele pediu à Inglaterra, a nação mais poderosa de então, com uma das mais eficientes marinhas de todos os tempos, que invadissem o Pará para combater os rebelados. Se seu plano fosse aceito, estrangeiros poderiam matar cidadãos brasileiros em pleno território brasileiro, com conhecimento e aprovação do imperador.
Onze meses antes, os nativos haviam desencadeado um motim, que ficou conhecido como Cabanagem, o mais sangrento de toda a história brasileira (no curso do qual, em cinco anos, segundo alguns registros historiográficos, de 15% a 20% da população regional morreu, o que seria equivalente, hoje, a dois milhões de mortos). O encontro de Feijó e os embaixadores inglês e francês foi revelado 160 anos depois, pelo antropólogo inglês David Cleary, que encontrou, no Publics Records Office, em Londres, correspondência travada, de 1835 a 1839, entre a embaixada, o ministério das relações exteriores e o almirantado britânico.
Feijó comunicou que até abril do ano seguinte queria três mil homens para retomar o controle de Belém, em poder de rebeldes. Essas tropas estrangeiras seriam embarcadas em navios de guerra dos três países e chegariam a Belém “como que por acaso”, recebendo autorização para permanecer em território nacional. Seriam mantidas de prontidão “para cooperar com as tropas brasileiras, a pedido e a critério das autoridades brasileiras em comando”. O regente do império fazia uma ressalva: teria que ser omitido “o fato de as medidas terem sido tomadas a pedido do governo brasileiro”.


A Inglaterra condicionou a ação a um pedido formal escrito para que, posteriormente, não houvesse objeções por qualquer parte do Brasil. Feijó teria respondido que a constituição proibia tal documento sem o consentimento da Assembleia Geral, além do descrédito para o governo, se revelado, que não seria capaz de derrotar sozinho um punhado de insurgentes miseráveis”. Respondendo à consulta, em 9 de maio de 1836, Lorde Palmerston informou o encarregado dos negócios na embaixada no Rio de Janeiro, W. G. Ouseley, que o governo inglês havia dado “a mais atenciosa consideração à sugestão feita” por Feijó, mas não se sentia “à vontade” para cumprir esses desejos. Alegou princípios do governo britânico e o Governo de Sua Majestade não acreditava justificável se envolver em operações em terra pelo interior da Província do Pará, com o objetivo de apoiar a autoridade do Governo do Rio de Janeiro contra a população do distrito”.

Os ingleses até estiveram aqui em abril de 1836, mas apenas com três navios de guerra para exigir a prisão dos assassinos da tripulação de um navio mercante inglês, que fora pilhado cinco meses antes no litoral paraense. Carlos Roque, estudioso da história do Pará, tem outra versão desmentida pelos documentos encontrados em Londres.
Segundo Rocque, Eduardo Angelim, “quando Presidente, recebeu tentadora proposta de um capitão inglês, para proclamar a independência do Pará, no que teria o apoio de potências estrangeiras. E o caudilho negou-se até a discutir a sugestão”. Quando o próprio Angelim morreu, em 1882, o jornal Diário do Grão Pará registrou que o maior dos líderes cabanos havia recusado “recursos militares do Governo Americano para proclamar a independência da Amazônia”.
Fonte texto: Lúcio Flávio Pinto/Em artigo publicado no Estado de S. Paulo .
FONTE: https://web.facebook.com/belemdopassado/?pnref=story

NA ROTA DO TURISMO: EITA PARÁ PAI D' ÉGUA - MOSQUEIRO




MEIO AMBIENTE: PROJETO ENTRATRIVI




Video do projeto de pesquisa que resultou no artigo "IAKURUARÚ NA TRILHA DA TERRA FÉRTIL" na comunidade de Caruaru, Mosqueiro- Pará.

sábado, 14 de janeiro de 2017

NA ROTA DA HISTÓRIA: O DINHEIRO DOS CABANOS

Autoria: Belém Antiga
A desconhecida história de quando o Pará teve seu próprio dinheiro. Uma moeda que só circulava por aqui. Eram dias difíceis de guerra contra o Império Brasileiro. Os Cabanos acabavam por fazer uma releitura do dinheiro em circulação gravando seus símbolos sobre as velhas patacas. Quando a revolução acabou, fugiram, levaram um “ tesouro”, que segundo alguns, segue escondido por ai...




















A desconhecida história de um grande tesouro enterrado em uma lugar paradisíaco em uma ilha de Belém do Pará. Parte do que foi pilhado pelo Governo que sonhou em tornar o estado uma república Independente, no dia em que o Pará teve sua própria moeda. Um dinheiro que só circulava por aqui e que foi fundamental em tempos de guerra.
Na Revolução Cabana, as moedas perdidas carimbadas pelos comandante do motim, e a espetacular estória de um tesouro pedido. As moedas eras cunhadas no Rio de Janeiro para circularem nos estados do Centro Oeste mas acabaram no Pará. Foram usadas pelo primeiro e pelo segundo governo Cabano, que a esta altura ocupavam a capital.
Alguns autores, consideram que eram moedas que já tinha sido retiradas de circulação e que voltavam por meio impositivo com o carimbo marcante do movimento cabano. Foi a moeda que mais tempo durou nesses movimentos questionados do império brasileiro. Francisco Vinagre, o presidente Cabano, improvisou a solução considerando que não conseguiria fazer uma guerra civil sem pagamento das tropas, por mais miseráveis que fossem os soldados arregimentados entre ribeirinhos.
Tinham valor inferior ao de face, mas como eram de aceitação compulsória, entrou para a história. Algumas moedas com o carimbo Cabano são raras, e conta uma lenda que milhares delas e outras fortunas pilhadas pelos revoltosos acabaram enterradas em uma ilha do tesouro, quando da fuga, e a derrota iminente para as tropas legalistas.
Os mais antigos juravam que o tesouro ficou escondido em algum lugar na Ilha do Mosqueiro, em uma região chamada baia do Sol. Duvida?
Fontes: Alvaro Martins. Moedas para a revolução do povo (a solução cabana para o meio circulante). / http://mosqueirando.blogspot.com.br/…/janelas-do-tempo-o-te…
FONTE: https://web.facebook.com/belemdopassado

sexta-feira, 9 de dezembro de 2016

EVENTO RELIGIOSO: CAMINHADA DA FÉ NA ILHA DO MOSQUEIRO

Ontem, dia 8 de dezembro, aconteceu a tradicional Caminhada da Fé, conduzindo a Imagem de Nossa Senhora do Ó, a padroeira da Ilha do Mosqueiro. A romaria congregou uma multidão de devotos e promesseiros, que percorreram, com muita fé, quilômetros desde a Beira do Rio (Rodovia Augusto Meira Filho) até a Igreja Matriz na Vila (Praça Cipriano Santos).

Fotos de Junivaldo Sobral:







Foto de Felipe Zal:




EVENTO FESTIVO: LANÇAMENTO DO SAMBA-ENREDO 2017 DOS PELES-VERMELHA

DOMINGO DO CÍRIO É NA TRIIIIBO!!!
LANÇAMENTO DO SAMBA-ENREDO CARNAVAL 2017



Dia 11/12/2016 a partir das 16h teremos a festa de lançamento do samba enredo para o carnaval 2017 ..... e várias atrações:

☆Escola de samba Garras do tigre de Nova Iguaçu
● alas (fantasias)
● 1°casal de mestre sala e porta bandeira
● 2°casal de mestre e porta bandeira
● porta estandarte
●parte da ala das baianas
●Rainha da bateria
●Bateria show GUERREIRA DA ILHA
●E o grande bingo do salário mínimo
Não percam este grandioso evento...
Vida longa a nossa tribo!!!!!
Entra no clima família Mosqueireeeeense que a mais antiga vai passar!!!!