quinta-feira, 9 de março de 2017

EXALTAÇÃO À ILHA: HINO DE MOSQUEIRO




Cesinha dos Anjos
Cesinha dos Anjos


quinta-feira, 2 de março de 2017

CARNAVAL NA ILHA: MOMENTOS DA FOLIA




Foto de Júnior Sousa
Foto de Jcsoliveira
Foto de Junivaldo Sousa
Foto de Luiz CLima
Foto Luiz CLima
Foto de Felipe Zal

Foto Felipe Zal

Foto de Felipe Zal
Foto de Felipe Zal


Foto de Igor Nunes







quarta-feira, 1 de março de 2017

CARNAVAL NA ILHA: ESCOLAS DE SAMBA

Alegando crise financeira, a Prefeitura Municipal de Belém do Pará não promoveu o Concurso de Escolas de Samba na Ilha do Mosqueiro, entretanto Peles Vermelha e Piratas da Ilha, que vêm animando os finais de semanas desde o primeiro dia do ano, não poderiam deixar de lado a maior manifestação cultural do povo brasileiro e, no domingo gordo, conduziram milhares de foliões até a Praça da Matriz, no ritmo de seus sambas-enredo.



segunda-feira, 27 de fevereiro de 2017

EVENTO CULTURAL: ANTOLOGIA DA PRAIA

No sábado 25,  às 17 h, aconteceu o lançamento do livro  Antologia da Praia, primeira coletânea em prosa e verso produzida pelos Escritores da Praia, grupo cultural criado, recentemente, por iniciativa dos Professores Ronaldo Andrade e Roberto Santos. Além dos autores citados, compõem o grupo Alcir Rodrigues, Arnaldo Rodrigues, Claudionor Wanzeller, Graciliano Ramos, Nonato Rodrigues e Paulo Uchôa. O palco do evento foi o histórico Hotel Farol, construído pelo saudoso Zacharias Mártyres no século passado,  e, além do coquetel, declamação de poemas e apresentação de dados sobre as história do local, os cantores/compositores do grupo interpretaram várias músicas de sua autoria. 









quinta-feira, 23 de fevereiro de 2017

EVENTO CULTURAL: LANÇAMENTO DE LIVRO


Neste sábado, 25 de fevereiro, às 17h, no Hotel Farol, os Escritores da Praia, grupo cultural mosqueirense, estará lançando o seu primeiro livro, intitulado Antologia da Praia, uma coletânea de prosa e poesia produzida pelos escritores Alcir Rodrigues, Arnaldo Rodrigues, Claudionor Wanzeller, Graciliano Ramos, Nonato Rodrigues, Paulo Uchôa, Roberto Santos e Ronaldo Andrade.
O convite para o evento é dirigido ao público em geral e, no ensejo, haverá apresentação musical com a participação dos compositores do grupo.

 

MEIO AMBIENTE: PARTICULARIDADES DA ORLA PRAIANA DE MOSQUEIRO

Autor: Prof. Eduardo Brandão

Localizada na face oeste de Mosqueiro, a orla praiana se estende de norte a sul do arquipélago. São cerca 37,5 km de extensão, da ponta onde se localiza a antiga Fábrica Bitar, na baía de Santo Antônio, até a foz do igarapé Irapara, na baía do Sol. Suas enseadas abrigam vinte e três (23) praias, conforme a denominação de moradores locais. O adensamento da ocupação está relacionado aos vetores de uso e ocupação territorial, verificados a cada período de desenvolvimento, a implantação da infraestrutura acompanhou a tendência desses períodos. É na orla que encontramos muitos elementos relacionados à história: são os sítios agrícolas da baía do Sol, a praia do Chapéu Virado e praia do Bispo, que foram palcos de importantes batalhas da Cabanagem, e os Casarões do período áureo da borracha.

Aspectos Físicos.

A Ilha do Mosqueiro pode ser subdividida em duas seções fisiográficas principais: os Terraços Aluviais Pleistocênicas que são áreas mais elevadas, com altitudes entre 15 e 25 m, constituídas por sedimentos arenosos, siltosos e argilosos caoliníticos, representando 2/3 da superfície da ilha; e as Planícies Aluviais de Inundação que são periodicamente ou permanentemente inundadas, são áreas planas, com altitudes entre 5 a 10 m e constituídas por sedimentos argilosos e siltosos, pouco desenvolvidos, pertencentes à formação mais recente, ou Holoceno (Costa & El-Robrini, 1992). Em alguns trechos da orla, os terraços se aproximam formando falésias (barrancos), é o caso das praias do Bispo, praia do Ariramba, e praia do Bosque. Na orla das praias do Maraú e Caruara as planícies de inundação predominam.



Falésias/Barrancos existentes nas praias do Bosque e Ariramba
  

A Zona Estuarina (Estuário) é o baixo curso de um rio ou seção da planície costeira, escavada pelas águas oceânicas durante a subida do nível do mar (Holoceno). Contém águas oceânicas diluídas às águas doces (drenagem), afetadas pelos movimentos das marés. Esta mistura de águas doce e salgada nesta zona de transição cria um ambiente distinto, onde diversas comunidades aquáticas se desenvolvem, gerando condições que tornam os estuários um dos ecossistemas mais produtivos. As águas que banham a orla praiana de Mosqueiro pertencem à baías de Santo Antônio, Marajó e baía do Sol, complexo hídrico localizado na Zona Estuarina do Amazonas e do Araguaia/Tocantins. Essa afirmativa pode ser verificada através regime de marés existente na região e a salinidade percebida na época de poucas chuvas (água salobra).


                                      Imagem de satélite mostrando o Estuário Amazônico onde as águas do rio                                      se misturam com as do oceano que determina o regime diário das marés.


Quanto ao regime de marés, podemos nos referir às Marés de Quadratura, que são aquelas que apresentam pequena amplitude, ou seja, aquelas que se seguem ao dia de quarto crescente ou minguante; e às Marés de Sizígia, que são as que apresentam maiores amplitudes e são verificadas, durante as luas nova e cheia, quando a influência da Lua e do Sol se reforçam uma a outra, produzindo as maiores marés altas e as menores marés baixas. Em Mosqueiro, a Média das Preamares de Sizígia e a Média das Preamares de Quadratura alcançam valores respectivamente de 3,38 m e 2,66 m. A Média das Baixa-mares de Sizígia e a Média de Baixa-mares de Quadratura apresentam valores respectivamente de 0,31 m e 1,03 m.


Maré de Sizígia na praia do Maraú 

A declividade das praias influencia diretamente nas características das ondas. Aquelas que apresentam baixa declividade são propícias para a formação de ondas deslizantes, nas quais, as ondas gradualmente empinam-se para então deslizar pelo perfil, dissipando sua energia através de uma larga faixa da zona de surfe. Os trecho de praia com grande declividade proporcionam ondas com pequena duração devido a zona de surf ser mais estreita. Em locais onde foram construídos cais de arrimo na faixa de dissipação de energia das ondas (praia do Murubira e praia do Porto Arthur), é grande a possibilidade de desmoronamento dos mesmos. A superfície das águas na Ilha do Mosqueiro, em condições de baixamar, caracteriza um sistema relativamente tranquilo, com presença de pequenas ondulações, que não chegam a 0.3 m de altura.



Reprodução da publicação Erosão e progradação no litoral brasileiro mostrando as células de deriva litorânea proposta para as praias da Zona Costeira do Pará, com base na observação visual e medida do clima de ondas e na morfologia das feições costeiras - Geoindicadores


Ondas quebrando sobre o cais de arrimo na praia do Murubira 


Quanto ao fluxo de sedimentos nas praias de Mosqueiro, de acordo com El-Robrini (2001), as praias do Ariramba, Maraú e Paraíso não apresentam sazonalidade marcante, registrando, assim, perdas e ganhos indiferentes às estações do ano. As praias do Murubira, Chapéu Virado e Farol apresentaram perda em março e ganho em setembro. Apesar da proximidade, o comportamento inverso ao das praias do Murubira, Chapéu Virado e Farol, apresentado pela praia do Ariramba, sugere um provável transporte efetivo de sedimentos paralelamente a praia, com sentidos se invertendo ciclicamente ao longo do tempo.

Na Ilha do Mosqueiro, as praias apresentam estreitas faixas de pós-praia, com algumas escarpas na zona de intermaré, sendo mais largas e íngremes, caracterizando praias refletivas, com exceção das praias do São Francisco e Paraíso, de menor declividade, constituindo praias de terraços de maré baixa. A morfologia de algumas praias é marcada pela presença de algumas barras internas, como no caso das praias do Ariramba, Maraú, Farol e Chapéu Virado, e barras arenosas no início da zona de infra maré, nas praias do Ariramba e Maraú, com granulometria variando desde areia grossa até fina (El-Robrini, 2001). 


Praia do São Francisco onde se verifica "terraços de maré baixa".


Estas areias de praias apresentam similaridades com a sequência estratigráfica local, representada pelos sedimentos do Grupo Barreiras, que aflora em muitas praias durante a baixa-mar, e os sedimentos pós-barreiras (Sá, 1969). El-Robrini (2001) mostra que as amostras de sedimentos das praias do Farol, Chapéu Virado, Murubira, Ariramba, São Francisco, Maraú e Paraíso apresentam variedade granulométrica, com o domínio de areia média, seguida de amostras arenosas grossas e finas, devendo ocorrer nas praias da Ilha do Mosqueiro alguma troca de sedimentos entre as mesmas. A predominância de areia média foi explicada pela baixa energia diária de ondas (Hb=0,8 m), o que contribui para a não remoção de partículas mais grossas, não havendo nenhum mecanismo para deposição de areia fina entre períodos de maior energia e, por não ocorrer ondas de swell longas, planas, que normalmente são responsáveis pelo transporte de sedimentos finos.

Estudos (El-Robrini, 2001) indicam que os processos de erosão e de progradação nas praias de Mosqueiro são cíclicos. Nos períodos chuvoso (março) e seco (setembro), a princípio ocorre retrogradação praial e engordamento praial, respectivamente. O pós-praia em praticamente todas as praias recua durante o período chuvoso (março): na praia do Paraíso, o pós-praia passa de 18,50 m (período seco) para 6,62 m (período chuvoso); na praia do Farol, o pós-praia passa de 57,27 m (período seco) para 51,46 m (período chuvoso). Entretanto, a zona de intermaré sofreu também erosão, como é mostrado: na praia do Paraíso, onde a largura passa de 7,35 m (período chuvoso) a 85,26 m (período seco); e na praia do Murubira, a largura passa de 23,75 m (período chuvoso) a 36,50 m (período seco). Nas figuras a seguir, observam-se os perfis praiais médios e seu respectivo período na Ilha do Mosqueiro.

Foi verificado que as praias do Ariramba, São Francisco, Maraú e Paraíso  apresentaram episódios de perdas e ganhos indiferentes às estações do ano (El Robrini, 2001), onde foi verificada uma maior capacidade de transporte nestas praias. As praias do Farol, Chapéu Virado, Murubira, ao contrário, revelaram um comportamento mais sazonal, com estreitamento do perfil em março (mais chuvoso), quando as ondas, associadas às marés de sizígia, tornam-se mais altas nessa área, facilitando desta forma, a retirada de sedimentos da zona de intermaré e engordamento em setembro (menos chuvoso, menor energia de ondas), quando esse material arenoso é novamente remanejado para a zona de intermaré.



                                Reprodução da publicação Erosão e progradação no litoral                                                               brasileiro mostrando os perfis praiais em alguns trechos da                            orla de Mosqueiro

Em geral, as praias de Mosqueiro, apresentaram uma variedade granulométrica, com o domínio de areia média, devendo haver nas mesmas alguma troca de sedimentos entre elas. Nas praias do Ariramba, São Francisco, Maraú e Paraíso, há predomínio de erosão, mais expressivo em setembro, período de maiores velocidades do vento, aumentando a capacidade de transporte nesse setor. Nas praias do Farol, Chapéu Virado e Murubira, há tendência a deposição, em março e setembro. Levando-se a deduzir, que ocorre um transporte longitudinal ao longo das praias, em períodos distintos, sendo, no entanto, menor nas praias do Farol, Chapéu Virado e Murubira.

FONTE: