terça-feira, 3 de outubro de 2017

JANELAS DO TEMPO: PRIMEIRO BANCO COMUNITÁRIO DO NORTE DO BRASIL






Publicado em 22 de abr de 2014



O primeiro Banco Comunitário do Norte, o Tupinambá, transformou a vida dos moradores do bairro da Baía do Sol, em Mosqueiro - Belém.

Afastados do centro da ilha e da capital Paraense, muita gente se deslocava para comprar produtos ou pagar contas. Com o Banco, o comércio local desenvolveu e as pessoas deixaram de gastar com deslocamentos. A circulação de dinheiro funciona com base nos princípios da economia solidária, por meio de uma moeda própria: o Moqueio.
Reportagem: Claudia Saldanha
Imagens: Osmar Júnior

Reportagem exibida no dia 16.04.2014 no Jornal Cultura.
Realização: Tv Cultura do Pará - Funtelp

sábado, 30 de setembro de 2017

EVENTO RELIGIOSO: VIRGEM DE NAZARÉ VISITA A ILHA




Na quinta-feira, dia 28, a Imagem Peregrina de Nossa Senhora de Nazaré visitou a comunidade cristã da Ilha do Mosqueiro e o povo católico, numa demonstração de fé, compareceu à Praça Cipriano Santos, para saudar a Padroeira dos Paraenses.



  
  









EVENTO RELIGIOSO: IMAGEM DA VIRGEM DE NAZARÉ NA ILHA DE MOSQUEIRO 2017

MEIO AMBIENTE: A IMPORTÂNCIA DA AMAZÔNIA NO CICLO DAS ÁGUAS

Postado por Pedro Leão


Foto do rio Pastaza, um rio da amazônia peruana - Reprodução/Shutterstock

A Amazônia tem papel fundamental no ciclo da água e na formação de nuvens modificando o clima a nível global

Na escola as pessoas aprendem sobre o ciclo da água. Este ciclo infinito onde a água evapora, se condensa na forma de nuvens, desce no continente em forma de chuva e retorna aos mares e rios para manter esse ciclo contínuo. Entretanto pesquisadores têm apresentado cada vez mais evidências de que a transpiração da floresta, em especial da Amazônia, tem um grande impacto nesse ciclo e em todo o ecossistema do planeta. 
Publicado em 2014, o cientista Antonio Nobre, fez um relatório chamado “O Futuro Climático da Amazônia”. O relatório mostra como a floresta amazônica influencia a temperatura e o clima do planeta, e como sua transpiração tem especial importância nessas mudanças globais. 
De acordo com o relatório boa parte da água que formam as nuvens vem da captação realizada pelas raízes das plantas. Essas raízes sugam a água, que atravessa o caule até as folhas mais alta, onde acontece a fotossíntese e a transpiração das árvores. Uma árvore grande pode bombear do solo e transpirar mais de mil litros de água num único dia.
Segundo o artigo de António Nobre, “Assim, as árvores funcionam como estações elevatórias, alçando e lançando as águas nas altitudes da atmosfera, águas que mais adiante retornarão ao solo como chuva, transferindo parte da energia solar embutida no vapor à energia potencial da água que enche os reservatórios das hidrelétricas”. 
Outro artigo publicado na revista científica Nature, publicado em 2013, chamado “Fluxos terrestres de água dominados pela transpiração”, demonstram que 90% de toda a água que chega à atmosfera oriunda dos continentes chegou lá através da transpiração das plantas, e somente pouco mais de 10% como simples evaporação sem mediação das plantas. A Amazônia sustenta centenas de bilhões de árvores em suas florestas. Desta maneira, mais de 20 bilhões de toneladas de água por dia são transpiradas por todas as árvores na bacia amazônica. 
Durante milhões de anos, e inúmeros evento catastróficos que aconteceram no planeta terra, a floresta Amazônica ainda se mantém em pé. Os cientistas acreditam que a própria natureza consegue modificar o clima e torná-lo menos desconfortável, mesmo em face de mudanças climáticas extremas. 
O artigo afirma que a transpiração da floresta regula a quantidade de chuvas no planeta. Essa regulação realizada pelas plantas define o ritmo dos ventos alísios do oceano Atlântico, arrastando em casos de extrema seca a necessária umidade para o aumento de chuvas no interior do continente. 

Criação das chuvas 

Diferente do que a maioria das pessoas acredita, a umidade por si só não forma as nuvens. É necessário minúsculas partículas de poeira que formariam uma espécie de semente para as nuvens de chuvas. Um grupo liderado pelo cientista Meinrat Andreae, do Instituto Max Planck, que estuda a química dos gases na atmosfera, investigou os chamados de compostos orgânicos voláteis biogênicos (BOVC), que são uma espécie de aroma exalado pelas plantas. 
Meinrat descobriu que os BVOCs, quando entram em contato com uma atmosfera úmida e na presença da radiação solar formam uma poeira fina com extrema afinidade a água. Essa poeira seria as sementes que a própria floresta forma para a produção de chuva. As regiões centro-oeste, sudeste e sul do Brasil estão no que os cientistas chamam de quadrilátero afortunado, ao redor dos trópicos de Câncer e Capricórnio, onde grandes desertos como o Saara e o deserto da Austrália estão situados. 
Segundo os pesquisadores, mesmo o Brasil estando sobre essa área de incidência do quadrilátero, as chuvas produzidas na Amazônia transformaram o que seria uma grande área áridas em planícies, pântanos, pampas férteis e verdes. Desta maneira, todo o Brasil e a América do Sul sofre enorme impacto positivo pela água produzida pela transpiração das plantas amazônicas.
--------------------------------
Isaac Guerreiro 





Fonte: http://portalamazonia.com/noticias/a-importancia-da-amazonia-no-ciclo-das-aguas
FONTE: http://mosqueiroambiental.blogspot.com.br/2017/03/a-importancia-da-amazonia-no-ciclo-das.html
em 22.03.2017 10:49

Atualizado em 22.03.2017 11:08
Fonte: http://portalamazonia.com/noticias/a-importancia-da-amazonia-no-ciclo-das-aguas