quarta-feira, 19 de julho de 2017

NA ROTA DA HISTÓRIA: UM PALÁCIO APENAS NO PROJETO


A desconhecida história de um palácio que o Murubira, em Mosqueiro, quase teve. Era o ano de 1913 quando a Associação Propagadora de Medicina Natural e Beneficente, anunciava que iria construir na aprazível praia do Murubira, um suntuoso edifício com quase 100 metros de frente, com uma altura de 33 metros e uma torre central.
O empreendimento teria também grande salões para cinemas, teatros, jogos de bilhar, biblioteca e restaurantes, um grande parque, com criação de peixes, áreas de esportes e um colégio misto.
Um palácio que ficou registrado na velha propaganda da revista. Sonhos de uma cidade que um dia sonhou se tornar Paris...

Fonte: Revista Fon Fon 6.9.1913
FONTE: 
https://web.facebook.com/belemdopassado/?hc_ref=ARQWSL173-fLM2G7e48ht3oPctLodkz4aF8L7rKKp0rjth-pGhUvZCobTLJvRZ5R4B8&fref=nf
Fonte: Revista Fon Fon 6.9.1913

quinta-feira, 6 de julho de 2017

EVENTO FESTIVO: 122 ANOS DA VILA DO MOSQUEIRO

Ewerton Freitas

Minha amada e querida Ilha de Mosqueiro 122 anos de história! 
Parabéns Ilha de contos e encantos! 
Que tu sejas tratada como merece por toda tua beleza natural! 
Aqui quero sempre morar e sempre irei te ajudar até os últimos dias de minha vida! 






HINO DE EXALTAÇÃO À ILHA DO MOSQUEIRO

Cesinha dos Anjos



sábado, 1 de julho de 2017

EVENTO CULTURAL: O MASTRO DE SÃO CARALHO

Realizado há mais de vinte anos na Praia do Bispo (Ilha do Mosqueiro), o Mastro de São Caralho congrega muitos foliões no dia 1.º de julho, numa festa puramente profana para celebrar o início das férias e do veraneio. O Mastro de São Caralho, que evidentemente não tem nada de santo, já foi tema de um filme-documentário produzido por Márcio Barradas e premiado no II Festival Internacional de Cinema Social/FEST-FISC.

Segundo a Academia Portuguesa de Letras, "CARALHO" é a palavra com que se denominava a pequena cesta que se encontrava no alto dos mastros das caravelas, de onde os vigias perscrutavam o horizonte em busca de sinais de terra. 














O CARALHO, dada a sua situação numa área de muita instabilidade (no alto do mastro) era onde se manifestava com maior intensidade o rolamento ou movimento lateral de um barco.
Também era considerado um lugar de "castigo" para aqueles marinheiros que cometiam alguma infração a bordo. O castigado era enviado para cumprir horas e até dias inteiros no CARALHO e quando descia ficava tão enjoado que se mantinha tranquilo por um bom par de dias. Daí surgiu a expressão: “MANDAR P’RO CARALHO”.
Hoje em dia, CARALHO é a palavra que define toda a gama de sentimentos humanos e todos os estados de ânimo.
Ao apreciarmos algo de nosso agrado, costumamos dizer: “ISTO É BOM COM’Ó CARALHO”.
Se alguém fala conosco e não entendemos, perguntamos: Mas que CARALHO é que estás a dizer?
Se nos aborrecemos com alguém ou algo, mandamo-lo pro CARALHO.
Se algo não nos interessa dizemos: NÃO QUERO SABER NEM PELO CARALHO.
Se, pelo contrário, algo chama a nossa atenção, então dizemos: ISSO INTERESSA-ME COM’Ó CARALHO.
Também são comuns as expressões:
Essa mulher é boa com’ ó CARALHO (definindo a beleza);
Essa gaja é feia com’ ó CARALHO (definindo a feiura);
Esse filme é velho com’ ó CARALHO (definindo a idade);
Essa mulher mora longe com ’ó CARALHO (definindo a distância).
Enfim, não há nada que não se possa definir, explicar ou enfatizar sem juntar um “CARALHO”.
Se a forma de proceder de uma pessoa nos causa admiração dizemos:
"ESTE TIPO É DO CARALHO”.
Se um comerciante está deprimido pela situação do seu negócio, exclama:
“ESTAMOS A IR P’RÓ CARALHO”.
Se encontramos um amigo que há muito não víamos, dizemos:
“PORRA, POR ONDE CARALHO É QUE TENS ANDADO? ”                                         
É por isso que lhe envio este cumprimento do CARALHO e espero que o seu conteúdo lhe agrade com ‘ó CARALHO, desejando que as suas metas e objetivos se cumpram, e que a sua vida, agora e sempre, seja boa com‘ ó CARALHO.
A partir deste momento poderemos dizer "CARALHO", ou mandar alguém pro "CARALHO" com um pouco mais de cultura e autoridade académica ...
Envie esta mensagem para alguém de quem goste com’ ó “CARALHO”.
E TENHA UM DIA FELIZ! “UM DIA DO CARALHO”.

FONTE: http://www.docspt.com/index.php?topic=4704.0


Os organizadores do II Festival Internacional de Cinema Social / FEST-FISC divulgaram a programação oficial do evento, que vai acontecer nos dias 8, 9 e 10 de fevereiro. Atividade cultural autogestionada do FSM, aberto para todos os formatos, tecnologias e linguagens, o FEST-FISC, que recebeu filmes das mais diversas origens e propostas estéticas, não tem caráter competitivo: todos os seus participantes recebem “Menção Honrosa”.
Sob responsabilidade do professor-doutor Hilton P. Silva, do departamento de Antropologia da UFPa; e do poeta e realizador de cinema, o professor-especialista em semiótica Francisco Weyl, a organização/curadoria garante que o FEST-FISC valoriza a diversidade, a relação local-global e a cultura como produção simbólica de construção de identidades e de espaços plurais, de natureza intercultural, para a manifestação artística, a fruição estética e o diálogo solidário.
A novidade deste ano, entretanto, é que, além de ser realizado na Universidade Cheik Anta Dioup, em Dakar, Senegal, durante o Fórum Social Mundial (FSM 2011), o FEST-FISC terá uma extensão Brasil, mais exatamente Belém, no âmbito do projeto Cinema de Rua, que retoma as suas atividades cineclubistas na Praça Tancredo Neves, sob a coordenação do Cineclube Amazonas Douro, REDE Aparelho e Movimento Cultural da Marambaia.
Entre os filmes selecionados estão “”Como a noite apareceu”, de Regina Mainardi (Espírito Santo); “O futuro manda notícias”, de Amaury Tangará (Mato Grosso); “Visagem”, de Roger Lou (minas Gerais); “Sonoro Diamante Negro”, de Suely Nascimento (Pará); e “O mastro de São caralho”, de Márcio Barradas (Pará). Além destes filmes, o II FEST-FISC fará duas mostras (“Os 7 filmes capitais”, com sete filmes que participaram do I FEST-FISC, e “Resistência Marajoara”, com filmes produzidos por jovens realizadores da ilha do Marajó). Todos estes filmes passarão a fazer parte do acervo da PARACINE – Federação Paraense de Cineclubes, que os utilizará com fins educativos, sem que os mesmos venham a ser comercializados ou reproduzidos.



Tradição que remonta há pelo menos 20 anos, o Mastro de São Caralho se apresenta como marco diferencial, por não existir como parte constituinte de festividade nenhuma, mas sim por ser ele mesmo a própria festividade. Some-se a isso o fato de propor uma recusa à tradição sincrética, por ‘inventar uma tradição’ própria de profanidade, remontando ao mitológico deus grego Príapos, o São Caralho daquela época. O São Caralho é milagroso e phoderoso; sua índole, contestatória e anti-hipócrita; sua longa e dura luta sempre será contra qualquer forma de discriminação, não aceitando interferência alguma de qualquer tipo de “otoridades”, quaisquer que sejam. Sua festividade não tem fins lucrativos. E como o mastro é reciclado, é também, enfim, um “santo” ecológico. Por isso, seu número de ‘devotos’ vem se expandindo numa proporção geométrica. Trata-se de uma divindade do povo, não das elites.
Argumento, roteiro, operador de câmera e realizador: Márcio Barradas
Assistente de câmera e operador de boom: Marcelo Bittencourt
Participações: Alcir Rodrigues, Daniel Tavares, Aldo de Vasconcelos, Carlos Augustos Fonseca e Diva Palheta.



MEIO AMBIENTE: O MURO DO BISPO VAI CAIR!

O muro de arrimo dos barrancos da praia do Bispo, o mais antigo da Ilha do Mosqueiro, que foi inaugurado em 1936 pelo prefeito Alcindo Cacela, está prestes a cair (Fotos - Wanzeller 2011).























































A ação do tempo, a infiltração das águas pluviais, a força das marés e a falta de conservação nos últimos cinco anos, responsabilidade da Prefeitura Municipal de Belém, colocam em risco de desabamento uma obra de 81 anos, cuja utilidade e importância histórica são incontestáveis (Fotos de 2017).
















Enquanto o Poder Público dorme, embalado nas redes da "burrocracia", a Natureza age e o povo fica "a ver navios que passam ao largo", aguardando as reformas na orla da Ilha e a interminável construção do Terminal Hidroviário. Espero que aquelas colunas, lembranças de uma obra inacabada da década de 50, sirvam de alerta para a atual administração (Fotos de 2017).





lerta para a atual administração.