segunda-feira, 3 de setembro de 2012

CANTANDO A ILHA: OÁSIS MOSQUEIRO

Autor: Assis Oliveira

clip_image002

TRAPICHE DA VILA na década de 1960 (FOTO: Antonio Rocha Penteado)

Ainda lembro aquelas tardes em Mosqueiro

Na orla fervendo apinhada de gente

E o trio que levava o mundo pra frente

Do lado da praia, até fevereiro.

 

 

Lembro as chuvas nas tardes cinzentas,

Da bola parando em poças na areia

E o garoto novo que aos peixes margeia

Armando ciladas, ah! sempre tão lentas.

 

 

Recordo estações: caju e pescada,

Do tempo das pacas, jambo e acerola,

Das ondas surfadas na breve marola.

Tempos de criança, de brincar na calçada.

 

 

No gasto arraial sem roda gigante

As belas barracas das Donas de Mingaus,

Que tantos provei em outras naus

Mas só aqui achei sabor tão instigante.

 

 

Da ponte que corria até o meio do mar

Buscava, dos barcos, ribeirinho e turista,

De noite eu pensava ser só uma pista

Feita na medida pra pescar e namorar.

 

 

Tinha a estação da chuva, que era verão

E a estação das secas, que era inverno.

Boas horas de sossego quase eterno

Que às vezes pergunto: não fora ilusão?

 

 

Mosqueiro tão bela, a ilha-cidade,

Prendada de dotes pra quem lá morava.

Na volta das férias a saudade chorava

Do sonho hibernando e o acordar da realidade.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário