sexta-feira, 16 de abril de 2010

NA ROTA DA HISTÓRIA: O TRAPICHE DA VILA

NA ROTA DA HISTÓRIA
O TRAPICHE DA VILA
De suma importância, quando a ilha era ligada a Belém exclusivamente por via fluvial, o Trapiche da Vila do Mosqueiro data do século XIX, antes mesmo de o “Gaivota”, primeiro barco a vapor da linha regular, fazer o transporte de passageiros. Sabe-se, por exemplo, que, em 1891, acontecia uma demorada reforma do velho trapiche, conforme notícia publicada em edição do jornal da época “O Democrata”.
Aliás, quando europeus e americanos, no final daquele século, descobriram a ilha como balneário aprazível, recanto e encanto para o repouso de fim-de-semana, as viagens eram feitas em pequenos barcos. Belenenses bem aquinhoados e comerciantes portugueses, libaneses e hebraicos aprovaram a ideia e acabaram construindo imponentes casarões na orla praiana, onde surgiriam trapiches particulares, marcando alguns um lugar na história, como o da família de Arthur Pires Teixeira (Porto Arthur, hoje nome da praia) e o da família de José Franco (Porto Franco, que passou a designar a vivenda localizada na praia do Chapéu Virado).
Certo é que, no dia 06 de setembro de 1908, inaugurava-se um novo trapiche em armação de ferro e pista de madeira, tendo na extremidade uma coberta em estilo arquitetônico francês. Posteriormente, outras reformas ocorreram, mas o projeto de um ancoradouro em cimento armado não saiu do papel, restando algumas pilastras tubulares abandonadas à ação implacável do tempo.
image
O Trapiche da Vila em 1908 (Fonte: A.Meira Filho
image
O Trapiche da Vila no início do século XX (Fonte: Família Mathias)
Por décadas, nesse primeiro portal da ilha-paraíso, atracaram navios muitas vezes apinhados de gente ávida por gozar as delícias de uma terra ainda selvagem e misteriosa. Assim, além do “Gaivota”, aportaram “Mosqueiro” e “Soure” (navios de uma empresa de alemães, em 1915), o “Valparaíso”(da firma do Sr. Alberto Engelhard), o “Almirante Alexandrino” (navio da empresa Port of Pará, o qual foi pilotado pelo Comandante Ernesto Dias, famoso por suas manobras precisas e seguras) e o saudoso “Presidente Vargas” (navio fabricado na Holanda, especialmente para a linha Belém-Mosqueiro, sempre pilotado pelo Comandante Hosana Pacheco; viajou de 1958 a 1972, quando inexplicavelmente afundou em frente à cidade de Soure, no Marajó).
image
O famoso vapor “Almirante Alexandrino” (Fonte: A. Meira Filho)
image
O saudoso navio “Presidente Vargas”, o cisne branco do rio Pará (Fonte: A. Meira Filho)
Naquele tempo, era moda esperar a chegada do navio, o que geralmente acontecia às seis da tarde, e receber os passageiros ruidosamente, com palmas, assovios, gritaria e vaias estrondosas. O interessante é que muitos vaiavam sem saber exatamente o porquê. O importante era seguir quem começou. Ai do primeiro passageiro que, ao subir a rampa, pisasse no marco de forma redonda, ali localizado e encoberto, hoje, pelo asfalto! Xingamentos não faltavam para o desavisado. Não sei o significado do tal marco, mas, segundo dizem, representa o ponto da maior maré que já atingiu a ilha. E a rampa do trapiche era, na época, o ponto obrigatório para a moçada e, enquanto aguardavam o navio, alguns paqueravam e outros jogavam futebol nas areias da praia (o “beach soccer” não foi novidade por aqui).
image
“Chatinha” dos SNAPP que fez várias viagens para a ilha (Fonte: A. Meira Filho).
image
Navio “Lobo d’Almada”, navio substituto do “Presidente Vargas” (Fonte: A. M. Filho)
Após o navio atracar, tudo era animação e muito colorido, no vai-e-vem dos carregadores de bagagens e seus carrinhos-de-mão identificados com chapas numeradas; no corre-corre dos passageiros buscando os melhores lugares nos autolotações; na disputa do inigualável tacacá da Dona Raimundona, senhora gorda e muito simpática; na movimentação das bonitas garotas e senhoras ostentando roupas da moda, chapéus de palha, tamancos (que, na Vila, eram produzidos pelo Seu Cesário e pelo Espanha) e varetas bordadas; na música gostosa do Rauland-Mansour tocada no Praia-Bar, convidando à dança e ao bate-papo com os amigos, sempre regado à cerveja bem geladinha; e até mesmo na repressão da polícia aos jogadores de “beach soccer” que, sorrateiramente, se posicionavam sob o trapiche para espiar, através das frestas, as calcinhas (ou seriam calções?) das mulheres. Enfim, era um caos festivo e gostoso: recepção calorosa nos risos, sorrisos, apertos de mão e abraços efusivos; bagagens que se avolumavam aos montes causando tropeços; mães visivelmente preocupadas com os filhos menores, pássaros antes cativos e agora soltos no meio da multidão; pregões aos berros dos vendedores de jornais, paçoca de gergelim, pirulitos embandeirados e sorvetes de raspa-raspa. Mas a festa acabou.
Depois do “Presidente Vargas”, o cisne branco das águas do rio Pará, que desapareceu tragicamente como o seu patrono, e anos de paralisação, a linha fluvial ressurgiu no governo do prefeito Hélio Gueiros e foi novamente desativada no segundo mandato do prefeito Edimilson Rodrigues, com a alegação de prejuízo financeiro. O prefeito Duciomar Costa até que tentou resgatar essa tradição da ilha, reativando a linha e inaugurando o barco de classe turística “Antônio Lemos”, com capacidade para 400 passageiros. Hoje, entretanto, povo e turistas continuam “a ver navios” passando ao largo. É bom lembrar que, mesmo no tempo dos réis e dos tostões, a navegação para o Mosqueiro sempre foi subsidiada. O Centenário Trapiche da Vila, no decorrer dos anos, diminuiu de tamanho e mudou de linha (agora faz curva). No entanto, para sua conservação, necessita sempre do bom senso do povo e da atenção das autoridades, por ser um patrimônio histórico da mais alta relevância.
image
O Trapiche Centenário. Ao fundo, Tatuoca e Cotijuba (Foto: Gerlei Agrassar).
image
O primeiro portal da ilha-paraíso (Foto: C. S. Wanzeller)
 















11 comentários:

  1. devemos cuidar do nosso patrimônio

    ResponderExcluir
  2. o Brasil é um pais sem memória, e o Pará não poderia fugir a regra. INFELIZMENTE. Sou paraense e me envergonho por tanto descaso.

    ResponderExcluir
  3. na verdade depois da gestao do prefeito edmilsonrodrigues a ilha de mosqueiro esta abandonada a nossa frente de mosqueiro esta tudo no escuro turista aqui nem pensar tudo acabou graças as ma gestoes de politico corupotos que fizeram que a nossa historia de vida fosse destruida e extinta

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pergunta o que deu no esgoto que nunca funcionou.Na gestão dele acabou a linha.

      Excluir
  4. nossa ilha merece muito mais que isso, espero que melhore

    ResponderExcluir
  5. PARABÉNS!!! Texto preciso, conteúdo histórico muito rico e fotos admiráveis, porém, que pena(!!!) que eu não tenha conta de "e-mail"! Se tivesse lhe enviaria as duas fotos, cujas legendas estão abaixo, mas aqui não se pode anexar as fotos.

    O meu arquivo, que inclui as duas fotos, tem o título: "O 'Breguet 118'”.


    Foto 1: O “Breguet 118”, pilotado por Paul Vachet, vindo de São Luís do Maranhão, fazendo a aproximação para o pouso na praia do “Chapéu Virado”, na ilha do Mosqueiro, distrito da cidade de Belém, Pará, Brasil. Fotografado em 13 de outubro de 1.927, exatamente às 10:27 horas daquele dia. (Acervo da família Beltrão Guimarães)

    Foto 2: O avião “Breguet 118”, pilotado por Paul Vachet, após o pouso na praia do “Chapéu Virado”, na ilha do Mosqueiro, distrito da cidade de Belém, Pará, Brasil. Fotografado às 14:05 horas do dia em 13 de outubro de 1.927. Vendo-se habitantes do lugar observando o trabalho de recuperação do motor para posterior decolagem, possivelmente para Belém.

    Um fraterno abraço,

    Ademir Guimarães

    ResponderExcluir
  6. infelizmente alguns comentarios nao condizem com a verdade, fiz essa viagem para Mosqueiro até pelo saudoso Presidente Vargas, e a última viagem foi na administraçao Edmilson Rodrigues, depois dele acabou esse belo passeio, além de muitas outras coisas que traziam o bem estar da populaçao mosqueirense, como Familia Saudavel e tambem o orçamento participativo, que foi fundamental para a construção da bela orla da ilha, hoje totalmente abandonado, e com certeza vamos estar no ostracismo por pelo menos quatro anos, pobre povo da bela ilha.

    ResponderExcluir
  7. Pedro Melo, você bebe? Quando o Edmilson foi prefeito, o Presidente Vargas já tinha trinta anos de afundado, você viajou foi numa chaleira velha que colocaram na linha e chamaram de navio. Vá se informar, e pare de beber!

    ResponderExcluir
  8. Eu quero saber a historia do presidente Vargas que fala ai.alguem sabe?

    ResponderExcluir
  9. Meu pai Manoel de Brito Lourenço ia muito para o mosqueiro no presidente vargas; os filhos iam espera lo e era aplausos assobios. Era animado. Tempos bons dormiamos de janela aberta perto do Bar do Oliveira

    ResponderExcluir
  10. Meu pai Manoel de Brito Lourenço ia muito para o mosqueiro no presidente vargas; os filhos iam espera lo e era aplausos assobios. Era animado. Tempos bons dormiamos de janela aberta perto do Bar do Oliveira

    ResponderExcluir